Jantar no Celler de Can Roca. Nós contamos a você a experiência

Sobremesas

Quinze dias se passaram e ainda não me recuperei totalmente da experiência que significou para mim poder desfrutar de um jantar no Celler de Can Roca. Frequentar um dos melhores restaurantes do mundo e saborear um menu tão extenso em boa companhia é inesquecível.

Por isso, vou tentar traduzir em palavras todas as sensações que pude sentir naquela noite, para que de alguma forma possam partilhar comigo esta fabulosa experiência gastronómica, que sem dúvida recomendo que viva em primeira pessoa se tiver oportunidade.

Dado que existe uma fila de espera de quase um ano para ir ao Celler no fim de semana e mais de seis meses para ir diariamente e tendo em conta que esta experiência gastronómica não está ao alcance de todos na actual situação económica, penso que rever o cardápio do Festival, um dos dois oferecidos para degustação, pode ser uma boa forma de compartilhar minha visita com todos vocês.

Localizada na Can Sunyer 48 em Girona, a recepção mostra imediatamente a distribuição dos espaços. A grande sala onde se encontra a sala de jantar, rodeia um espaço envidraçado arborizado. Há também acesso desde a recepção à entrada da adega, à sala de espera e claro, à espaçosa cozinha onde trabalha a equipa dos irmãos Roca.

Os três irmãos Roca i Fontané dirigem as três vertentes do seu trabalho, que simbolizam com o seu logótipo, o R com três pernas. A cozinha fica a cargo de Joan, de Josep de los Vinos e de Jordi da pastelaria e confeitaria Celler, bem como da gelataria Rocambolesc, de cuja visita vos falei há poucos dias.

A cozinha

Nossa chegada começou de forma magistral. Joan Roca recebeu-nos e acompanhou-nos até ao seu território, mostrando-nos as diferentes áreas de trabalho onde as diferentes brigadas trabalharam incansavelmente. Além de tirarmos algumas fotos, pudemos ver como prepararam alguns dos pratos que viríamos a saborear.

A cozinha tem uma disposição muito bem pensada e todo o pessoal que aí trabalha desenvolve uma actividade permanente, com uma qualidade que é referência para todo o sector. Já se passaram mais de 25 anos desde sua inauguração, sempre mantendo esse nível.

Depois de percorrer as diferentes salas, fomos para a sala de espera ou biblioteca onde nos serviram os primeiros aperitivos, acompanhados de uma taça de cava Turó d'en Mota 02. Trouxeram-nos o bonsai de azeitona com as azeitonas caramelizadas, um chocolate de xerez e laranja, uma bolacha de milho com algas e camarão em pó e alguns ossos de anchova com tempura.

A mesa e o menu do Festival

Já sentado à mesa, ele iniciou o cardápio, com uma colher de chá de omelete de alcachofra. Seguiu-se o primeiro prato chamado Eating the world, em que uma espécie de globo de papel esconde cinco picadas que representam diferentes países.

Um frozen yogurt com raiz-forte e endro para a Lapônia, um poblano mole com guacamole e coentro para o México, uma casca de porco com molho hoisin e vinagre de arroz para a China, uma amêndoa com iogurte de cabra, açafrão e ras el hanout para o Marrocos e Um delicioso homus com gergelim preto do Líbano serve para fechar o passeio de petiscos e petiscos.

Tanto as entradas como o primeiro prato, nós os acompanhamos com um requintado Taleia 09 do D.O. Costers del Segre. Após as entradas, começamos com um caldo de legumes com ervilhas, cubos de manga e pêra acompanhados de carne de ouriço do mar. Talvez tenha sido o prato que mais gostei, tanto pelo sabor delicioso como pela estética e textura. Acho que é um dos melhores que já provei nos últimos tempos.

Continuamos com um consommé de trufas com gema de ovo e sorvete de espargos, delicioso em suas diferentes texturas para passarmos às sementes de abóbora com alcachofra que harmonizamos com a cerveja Inedit de Damm, com cujos empresários participamos do jantar.

O jantar continuou com um vinho Pedra de Guix 2010 do D.O. Priorat Com quem vieram outros pratos tão sublimes como a enguia com duende grelhada e o alho com pimenta, a peculiar ostra com molho de caça holandês e o bacalhau um tanto mais clássico à brandade.

A homenagem continuou com a dourada grelhada com molhos de citrinos e escarola com genciana e a impressionante canapé liofilizado de tainha com a sua espinha com que acabámos com o peixe para dar lugar às carnes e aos Ferrer Bobet Selecionado 09 também do D.O. Priorat.

Outro prato que impressionou a todos os presentes foi um suflê de trufas com redução de tutano e vitela que em formato de sanduíche nos fez sentir na glória. Que intensidade de sabor, que delicadeza de texturas. Que prato bem passado.

Continuamos com uma barriga de cordeiro e pães doces feitos para defumar em brasas de carvalho, acompanhados de berinjela branca, alcaçuz e café para finalizar com uma galinhola com cebola, nozes caramelizadas, curry e ervas das quais comemos o cérebro e alguns pedaços de seu peito.

Os doces

Começamos com uma sobremesa curiosa chamada Lemon Cloud, para passar a um dos clássicos de Celler, a sobremesa láctica feita de leite em diferentes texturas como doce de leite, sorvete de leite de ovelha, espuma de coalhada, iogurte de ovelha e um nuvem de algodão ao leite com um pouco de goiaba para contrastar.

Para finalizar, uma maçã de feira, que escondia no seu interior uma mousse de maçã e um café acompanhado dos clássicos petit fours com os quais passamos a noite nos reunindo até altas horas da manhã.

A sensação

Apesar de já terem visto um extenso cardápio que nos fez desfrutar quase três horas antes de ficarmos para o pós-jantar, confesso que a primeira coisa que nos veio à mente quando nos serviram o último prato antes das sobremesas foi a galinhola pensando: "Já Quão curto se tornou "

E é que quando você está curtindo produtos de qualidade, boa companhia e conversa, o tempo voa. Foi escrevendo o rascunho deste verbete e revendo as fotos que tirei durante o jantar que pude reviver essa experiência que guardarei na memória por muitos anos.

Se vos digo que o Francis Paniego, que estava no restaurante a jantar, aproveitando o facto de estar em Girona para o Fòrum Gastronómico, e o próprio Joan Roca se sentaram connosco nas sobremesas e ficaram a conversar connosco até tarde, podem imaginar que a noite se transformou em algo verdadeiramente inesquecível.

No Celler de Can Roca são oferecidos dois menus: o menu Degustação de Clássicos, a 135 euros e o menu do Festival, a 165 euros. Estes menus, acompanhados de vinhos seleccionados por Josep Roca, ascendem, respectivamente, 55 euros e 85 euros. Todos os preços estão com IVA incluído e você deve reservar para mesas completas.

O Celler de Can Roca

Can Sunyer 48 Girona Tel 972 222 157 Site oficial

  • Facebook
  • Twitter
  • Flipboard
  • O email
Tag:  Seleção Sobremesas Receitas 

Artigos Interessantes

add